Videoclipes


Quando a Coluna Musical publicou em 27 de março um post falando sobre Adele e sua música “Rolling In The Deep”, eu nem sequer imaginava que este seria um dos maiores singles de 2011.

Após 24 semanas desde sua estreia, “Rolling In The Deep” finalmente atingiu o primeiro lugar da Billboard Hot 100 – e isso já por sete semana consecutivas. Aqui em nosso território não foi diferente, pois o single conquistou a liderança da Billboard Brasil de maio. Este é um fato notável, já que Adele é uma artista britânica, e não americana, e seu estilo de música nada tem a ver com o predominante dance-pop.

Aproveitando a popularidade de “Rolling In The Deep”, vamos compartilhar o clipe com vocês. É um vídeo relativamente simples, sem storyboard, contendo apenas elementos visuais sincronizados com a canção.

 

Anúncios

Apesar de todos os muitos adjetivos negativos dirigidos à produção mexicana Rebelde, iniciada em 2004, uma coisa deve ser reconhecida: como cantores, os seis integrantes do grupo RBD conseguiram um alcance que poucos artistas latinos atingiram. Saíram do México, desceram para a América do Sul, entraram na Europa, invadiram a Ásia e atingiram o sonho de qualquer artista hispânico: conseguir uma fatia do mercado musical norteamericano.

Mas tal marketing não foi promovido sem esforço. Durante os cinco anos de existência do RBD como grupo (eles finalizaram em 2009), foram lançados cinco discos em espanhol, três em português, um em inglês, três ao vivo e quatro coletâneas, além de onze DVD’s.

O quarto álbum do RBD, Empezar Desde Cero, foi lançado em 2007. O primeiro single deste CD foi “Inalcanzable”, uma balada baseada em piano composta por Carlos Lara. A canção mostra um lado mais maduro do sexteto, e por isso conseguiu entrar nas principais listas latinas da Billboard, aparecendo na posição 6 da Hot Latin Songs e no primeiro lugar da Latin Pop Airplay e Latin Tropical Airplay.

O videoclipe, com direção de Esteban Madrazo, levou mais de vinte horas para ser gravado, e está repleto de efeitos especiais. Apesar disso, acho interessante como o tom melancólico da melodia não se perde e é bem transmitido no clipe.

No dia 27 de fevereiro, Celine Dion teve a oportunidade de fazer uma performance ao vivo nas premiações do Oscar. Em 2011, a cantora canadense fez a sua versão do clássico “Smile”, durante o segmento “In Memoriam” da premiação. Este segmento mostra fotos e vídeos dos artistas, diretores, produtores e outros profissionais da área cinematográfica que faleceram durante 2010.

“Smile” foi composta em 1936 por Charles Chaplin, como trilha instrumental do filme The Modern Times (Tempos Modernos, no Brasil). Em 1954, John Turner e Geoffrey Parsons compuseram uma letra para a melodia, e Nat King Cole foi o primeiro artista a gravá-la.

Desde então, dezenas de covers foram feitos pelos mais diversos artistas: Natalie Cole, Diana Ross, Tony Bennet, Luiz Miguel, Michael Jackson, Westlife, o elenco do seriado Glee e até Djavan.

Ao todo, Celine Dion fez seis apresentações em cerimônias do Oscar, tornando-se a artista com mais performances ao vivo na história da premiação.

Chris Brown mostra que ainda detém impressionantes habilidades de dança eu seu vídeo para o single “Yeah 3x”. Repleto de cores e principalmente muita coreografia, Brown deixa claro que está disposto a dar a volta por cima da imagem negativa que deixou na mente do público por causa dos relatos de violência doméstica contra a ex-namorada Rihanna.

Com direção de Collin Tilley, o clipe foi gravado nos estúdios da Universal e apresenta alguns artistas convidados, como Teyana Taylor, Kevin McCall e também a dupla Future Funk, que participou do reality show America’s Got Talent.

Clipes com coreografias sempre são muito atrativos ao público, e “Yeah 3x” é cativante justamente por causa disso. Os números de dança realizados por Brown são em alguns momentos extremamente complexos, mas parece que isso não foi problema para o jovem artista.

Há algumas semanas postamos aqui a parceria entre o DJ francês David Guetta e a cantora barbadiana Rihanna. O resultado foi o single “Who’s That Chick”. Inicialmente, a música fazia parte de uma campanha promocional do salgadinho Doritos nos EUA, e depois serviu como o primeiro single do álbum One More Love, de David Guetta.

Na época das campanhas do Doritos Late Night, foram gravados dois videoclipes para “Who’s That Chick”. Uma chama-se “Day Version” (Versão Dia) e a outra, “Night Version” (Versão Noite). O interessante nestes dois clipes é que a sequência de cenas e a edição são praticamente iguais, embora cada vídeo tenha um tema diferente. Enquanto a “Day Version” mostra uma Rihanna mais colorida e alegre, a “Night Version” é, obviamente, bem dark.

Agora em janeiro, uma nova edição do vídeo foi colocada no ar no YouTube. Nesta, David Guetta, que não aparece em nenhuma das outras duas, dá as finalmente as caras, remixando canções no espaço sideral. O vídeo foi mesclado com cenas do clipe “Day Version”. Todas as versões tiveram a direção assinada por Jonas Akerlund.

 

ASSISTIR: Day Version

 

ASSISTIR: Night Version

 

ASSISTIR: David Guetta Version

Acho muito legal videoclipes que conseguem trazer um pouco de humor, mas sem apelar para a vulgaridade. E foi isso o que me chamou a atenção no clipe de “Stuck Like Glue”, da dupla country americana Sugarland. Aliás, foi o vídeo que me fez gostar da música.

Embora a letra da música seja romântica, falando sobre “grudar com cola” com a pessoa amada, o clipe mostra a vocalista Jennifer Nettles literalmente perseguindo um cara de quem ela gosta. Com a ajuda do colega Kristian Bush, Jennifer consegue até mesmo raptar o rapaz. O clipe traz muitas tiradas cômicas, e o desfecho da história também é legal.

Desde que assumiu seu novo formato, a Rádio não tinha ainda divulgado videoclipes. A partir deste post, voltaremos a indicar alguns bons clipes para entretê-los.

Nossa primeira sugestão é justamente da primeira canção que passou por este blog: “Just The Way You Are”, de Bruno Mars. Gravado em Los Angeles e com direção de Ethan Lader, o clipe mistura cenas reais com animação – aliás, recurso mais interessante do vídeo, onde os desenhos são formados a partir de fitas cassetes. Claro que é tudo efeito digital, mas o resultado final é muito bom.

Bruno Mars declarou no making of do vídeo:

“Você vai poder ver diversos tipos de arte, vai poder me ver cantando, vai poder ver uma bela mulher… É um clipe bem simples, pois a música é simples – mas toca fundo. E é isso o que importa.”